Carreira de Modelo - Uma Perspectiva Diferente de Modelo de Sucesso!
fundo parallax

Carreira de Modelo – Uma Perspectiva Diferente de Sucesso!

8 de agosto de 2018
altura modelo model to model
Carreira de Modelo – Perseverança Contra as Adversidades
1 de agosto de 2018
modelos mais bem pagas
As Modelos Mais Bem Pagas do Mundo!
16 de agosto de 2018

 

Diferentes Formas de Sucesso

Muitas vezes aqui nós falamos sobre o quão difícil é fazer parte do mundo da moda. Trabalhar como modelo – definitivamente – não é para qualquer um. É aquilo: o sucesso é para 1 em 1 milhão. Mas o que não falamos é que, na verdade, pode haver um meio-termo nessa afirmação.
 
Quando imaginamos uma “modelo de sucesso” nos vem em mente a imagem de figuras como Gisele Bündchen (como não citar?), Izabel Goulart, Behati Prinsloo e por aí vai. Associamos o conceito de sucesso a histórias de modelos que começaram jovens, que trabalharam (ou ainda trabalham) muito e que se aposentaram no fim da carreira, já com mais de 30 e poucos anos (ou que estão no auge e trabalharão como modelos até a hora de pendurar as chuteiras os saltos).

Mas não podemos nos enganar: nem todos os casos são assim! Sucesso não tem a ver com quantos anos durou uma carreira, nem a idade em que se começou. É possível ter sucesso começando tarde… Da mesma forma, terminar uma carreira cedo não significa que ela não foi totalmente bem-sucedida.

Esse é o caso da Isadora Di Domenico, nossa #Insider de hoje ♥

 

SUBINDO RÁPIDO – E ALTO

modelo de sucesso
 
O meu primeiro contato com a moda foi com apenas 11 aninhos – um bebê! Eu participei de um curso de modelos e atores na minha cidade natal, Carazinho (RS). Foi o meu pai que me incentivou a participar do curso. Ele queria que eu melhorasse minha postura, caminhasse melhor, aprendesse a me expressar, a falar na frente da câmera, em vídeo. E porque achava que eu tinha talento.

Depois disso, já com 12 anos, fui pela primeira vez para São Paulo em busca de uma agência. Entrei na antiga agência Mônica Monteiro, onde trabalhei por um tempo. Depois, passei para a Way Models – e foi aí que minha carreira começou a decolar.

Foi a Way que abriu minhas portas para mercados internacionais. Minha primeira experiência fora do Brasil foi em Buenos Aires, pela Visage Models, quando tinha 13 anos. Buenos Aires foi uma mãe pra mim, foi minha escola. Lá que comecei a fazer o portfólio, ganhei experiência, aprendi a fotografar.

Depois da Argentina fui para mercados bem maiores, como Cingapura (pela Ave Management) e Tóquio (pela Switch Models). Nos principais mercados do exterior (Londres, Nova Iorque, Milão e Paris) eu era representada pela IMG models – a atual agência de modelos como Alessandra Ambrosio, Gigi Hadid, Karlie Kloss e Kate Moss – só para citar algumas.

O auge de minha carreira, com certeza, foi entre os meus 14 e 15 anos. Foi quando as capas começaram a sair e as campanhas começaram a acontecer.

 

A VISTA DO TOPO

modelo de sucesso model to model
 
Eu acho que eu consegui me destacar principalmente no mercado brasileiro, onde as pessoas sabiam quem eu era. Eu estudava muito, eu vivia em biblioteca, vivia em loja de revista estudando as poses, treinando em casa, treinando os meus ângulos. Então, pra mim, parar na frente de uma câmera fazia parte de quem eu era. Eu fazia brincando e me divertia muito fazendo aquilo!

No período que fiquei em Cingapura (que também foi entre meus 14 e 15 anos), tive muitos jobs em que pude explorar vários ângulos, poses e diferentes faces minhas. Eram editoriais high fashion e eu pude demonstrar que eu conseguia trabalhar com diversos tipos de personagens e abordagens.

Consegui construir um portfólio muito rico, diversificado e que me ajudou a conquistar trabalhos muito importantes depois. Logo, fiz minha primeira capa da Vogue, a Brasil. E, a partir dali, foi só uma crescente. Eu não parei mais de trabalhar!

Pra mim, tudo foi muito do nada. Modelar não foi uma coisa que eu sempre quis. Não era meu sonho, não era uma coisa que eu sempre pensava em fazer, foi uma coisa sugerida pelos meus pais que eu gostei. No fim eu acabei gostando mais do que eu imaginei.

 

A HORA DE PARAR

modelo de sucesso
 
Eu acho que eu terminei minha carreira num ponto alto.
Parei de modelar, oficialmente, com 17 anos. E eu parei no auge! Resolvi largar a carreira de modelo porque eu não consegui lidar com todas as demandas físicas e emocionais que eu estava tendo.

Não conseguia mais me ver trabalhando em um lugar onde a grandiosidade era acompanhada, muitas vezes, de uma certa infelicidade e insatisfação. Porque é muito glamouroso! É uma carreira muito gratificante, e o nosso ego é facilmente inflado e facilmente consumido pelas pessoas que trabalham nessa indústria.

Eu sempre fui uma pessoa que teve um pai e uma mãe muito presentes (mesmo que longe), me puxando, garantindo que eu estava com os dois pés no chão… mas eu me vi me perdendo um pouco na indústria da moda.

Além disso, o meu corpo começou a mudar. Afinal, eu não poderia mais pesar 48 Kg com 1,74m de altura. Não conseguia mais manter aquele padrão e, tentando manter, eu tava sofrendo muito, tava abrindo mão da minha qualidade de vida e da minha felicidade. Foi assim que eu decidi que iria voltar a estudar. E, desde então, voltei para casa e completei meus estudos.

 

NOVOS RUMOS, AINDA NO EXTERIOR

modelo de sucesso
 
Depois que ela voltou para casa, a Isa ingressou em uma faculdade e se formou em Relações Internacionais. Hoje, já com 23 anos, ela está morando em Berlim, onde trabalha como recrutadora de talentos.

Até os seus 19 anos, ainda fez um ou outro trabalho como modelo… mas a escolha estava feita: ela não iria mais modelar. Parece estranho, né? Uma modelo que estava no auge de sua carreira, fazendo campanhas internacionais e cobrindo capas de revistas importantes como a Vogue resolve que não irá mais trabalhar nesse meio.

Muitas vezes pode-se pensar – de forma MUITO equivocada – que uma carreira como a da Isadora não se qualifica como uma carreira “de sucesso”. Mas acontece que não se mede o sucesso de uma modelo pelos anos durante os quais trabalhou. O sucesso de uma modelo não depende, necessariamente, da idade que começou – nem mesmo da idade em que parou de trabalhar.

 

Uma História Que Se Repete

Enquanto a Isa trabalhou como modelo, ela teve sucesso – e muito!

O que aconteceu na história dela, é o que acontece com milhares de jovens modelos em todo o mundo… Ela começou super cedo, quando seu corpo tinha medidas de criança e, depois, de adolescente. Mas a Isadora cresceu e seu corpo a acompanhou, como era de se esperar. Pela natureza física dela, não seria saudável para ela manter o peso de pré-adolescência aos seus 17 anos…

Então, ela tomou a difícil decisão de parar. Uma decisão difícil que exigiu dela muita maturidade. Uma decisão que mudou o rumo da vida dela.

E a nossa mensagem aqui hoje é que essa história pode ser, também a sua… e tudo bem! Muitas vezes é isso mesmo que acontece: o corpo muda e deixamos de atender às altíssimas exigências do mercado da moda. Então, temos que mudar, também, o rumo da nossa vida.

Nós temos uma ideia de que o sucesso está vinculado a coisas de longo prazo – quase vitalícias. Mas isso não é uma verdade absoluta. É possível ter sucesso naquilo que se faz, mesmo que não dure tanto quanto imaginávamos.
Se em algum momento você sentir que a carreira de modelo não é mais para você, tudo bem! Mude! Afinal, a vida continua e as possibilidades são inúmeras. Faça a sua valer a pena!

Ah, e conte sempre conosco para tirar dúvidas, pedir conselhos – ou até botar conversa fora! Estamos aqui para facilitar o seu caminho da forma que pudermos 😉
Um grande abraço, e até o próximo post!

😉

Luiza Reck Ortigara
Luiza Reck Ortigara
Copywriter e produtora audiovisual na Model to Model. Ingressei na carreira de modelo há quase 2 anos, meio por acaso. Tenho pouca experiência como modelo profissional, mas já posso dizer que admiro muito esta profissão!

2 Comentários

  1. Pablo Henrique disse:

    Olá. Eu sou Pablo tenho 17 anos moro em Sergipe. Sonho na carreira de modelo Fashion , sonho nos alges na fama , porem as condições de salarios me impede não tenho muito apoio da minha familia mas eu pexisto eu irei conseguir realizar meu sonho de modelo fashion

    • Everton Henke disse:

      Olá Pablo, tudo bem?
      Sem sombra de dúvidas, as adversidades sempre são um empecilho para atingirmos nossos objetivos. O mais importante é não nos deixarmos abalar e continuar perseverando. Aqui no blog já desenvolvemos uma série de artigos para ajudar quem está começando na carreira e, também, para aqueles que já estão trilhando um caminho no concorrido mundo da moda. Espero que tenha encontrado o suporte de informação que você procurava. Caso tenha sentido falta de alguma coisa, é só nos dizer que iremos buscar as respostas para tentar te ajudar.
      Um forte abraço
      Everton

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *